Uma em cada três indústrias usa geradores em Uberlândia

Segundo a Unedi, 50 empresas se preparam para comprar equipamento.

Consultor orienta sobre riscos ambientais da utilização.

Uma em cada três indústrias em Uberlândia usa geradores como fonte de energia pelo menos em algum período do dia. Outras 50 estão se preparando para comprar o equipamento, segundo dados da União das Empresas do Distrito Industrial de Uberlândia (Unedi). Consultor ambiental orienta sobre uso e riscos do gerador.

O presidente da Unedi, José Humberto Resende de Miranda, disse que atualmente se vive uma situação da escassez. “Nós não temos mais segurança para fazer um investimento e ter certeza que o nosso planejamento vai poder ser cumprido”, afirmou.

A procura por geradores aumentou nos últimos tempos. O preço do equipamento já sofreu reajuste e varia de R$ 20 mil a R$ 300 mil, dependendo da potência. Já o prazo de entrega, conforme o modelo, pode chegar a 60 dias. “A energia é o coração do comércio e o gerador é o marca-passo. Então, tem que cuidar, senão morre”, comparou o empresário Navier Soares Caetano.

O empreendedor Marcos Pergher tem uma indústria química na cidade. Ele contou que quando as máquinas param, os geradores a diesel começam a funcionar. “Antes eles entravam em atividade a partir das 18h. Hoje eles já entram a partir das 16h, diminuindo o custo da energia elétrica neste horário de pico”, completou.

Já o empresário do ramo de sorvetes, Cairo de Carvalho, disse que comprou um gerador para assegurar que as 60 toneladas de produtos estocados na fábrica não sejam perdidas, caso falte energia. “Nós compramos um primeiro equipamento para verificar como seria. Já estamos encomendando outro equipamento de maior porte para suprir mais nossa necessidade”, afirmou.

Segundo o último levantamento do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, do Ministério de Minas e Energia, não há indicação, no momento, de insuficiência de suprimento energético para este ano. Segundo o comitê, o sistema elétrico apresenta-se estruturalmente equilibrado devido à capacidade de geração e transmissão instalada no país.

Meio ambiente

 Apesar do gerador ser uma solução para manter o funcionamento da indústria, também pode se tornar uma ameaça ao meio ambiente. Segundo o consultor ambiental Mildo Alves Magno, a combustão durante o processo da produção de energia por geradores resulta em produtos químicos. “Isso vai para a atmosfera e acaba agredindo o meio ambiente e a camada de ozônio. Com isso a nossa região e o entorno, onde tem estes geradores, ficam mais quentes, dificultando a entrada de massa de ar fria e a chuva”, explicou.

O especialista orientou que se não houver outra solução é preciso, pelo menos, bom senso. “Não usar o gerador como fonte primária e incentivar o plantio de árvores. Uma árvore pode sequestrar aproximadamente 170 quilos de carbono durante a sua vida. Se cada um fizer a sua parte, a gente consegue diminuir os impactos ambientais”, concluiu.